J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
45-Informação Paroquial de 10 a 17 Novembro 2013 Imprimir EMail

INFORMAÇÃO  PAROQUIAL  DE  10 a 16  de NOVEMBRO DE 2013

 

01.  Ala Nun’Álvares – Celebra S. Nuno de Santa Maria, Dia 10 Novembro,na Missa das 11h, na Matriz

02.  “TAKE AWAY”-TENDA AMIZADE - Dia 10 de Novembro - Ementa: Feijão á Transmontana e Tripas, à moda do Porto. Faça a sua encomenda

03.  Em todas as Dioceses - Semana dos Seminários de 10 a 17 de Novembro.

04.  SPEC(Secretariado Paroquial Educação Cristã) – Reúne Dia 11.11. às 21,30h, na Azenha.

05.  Confraria Almas-Reunião Mensal dia 11,ás 21:30h

06.  EPB(Equipa Paroquial de Baptismos) -Reunião dia 12 de Outubro às 21:30h.

07.  GAC(Grupo de Animação e Cultura) – Reúne 12 de Novembro, às 21,30h.

08.  Missa no Monte Crasto – Dia 13 de Novembro, às 08:30h.

09.  Mov.Mensagem de Fátima –Reunião dia 13, ás 09:30h -Terço às 18:00h Matriz

10.  Todos os Catequistas da Paróquia - Reúnem no Dia 13 de Novembro,ás 21:30h, na Matriz.

11.  Direção Escola Paroquial Música -Reúnem dia 1 5 de Novembro,às 21:30h.

12.  Catequese 4ºano-Reunião de Pais, dia 15 de Novembro,ás 21:30h na Capela Ressurrreição

13.  Proximo Convívio na Tenda da Amizade a cargo da Equipa do CPM, Dia 16 de Novembro, Jantar a partir das 19h.

14.  Corais D’Ouro 2013 - XlI Encontro de Grupos Corais de Gondomar de 02 a 30 de Novembro: Todos os Sábados de Novembro . Sempre no Auditório Municipal de Gondomar, às 21:30h.

15.  DIREITOS PAROQUIAIS – Estamos no S. Miguel. Ocasião para todas as Famílias cristãs participarem na missão da Igreja, pagando os Direitos Paroquiais. É uma obrigação anual de todas as Famílias. Em Portugal, está indicado a partilha em todas as Eucaristias, nas Campanhas e sempre que solicitados. Além disso os Direitos Paroquiais, para quem puder: um Dia de Rendimento da Família para a Comunidade. Quem não puder, ou precisar de apoio, estará totalmente à vontade propondo a situação.

 

         ACONTECE PROXIMAMENTE – REGISTE JÁ E RESERVE DISPONIBILIDADE

v  Equipa Vicarial da Familia –Reunião dia 18, 21:30h em Valbom

v  Comissão Festas Sacerdotais- Dia 19 Novembro 21:30h

v  CAE-(Conselho Assuntos Economicos)-Reunião dia 19, 21:30h

v   Pastoral Paroquial Saude-Reunião dia 25

v  CPM EPF-Oração do Rosário-dia 25 de Novembro na Matriz

v  Assembleia Paroquial – dia 29 de Novembro, 21:30h na Matriz

v  Abertura  Ano Pastoral- e Dia de Santo Elói – Padroeiro dos Ourives - Celebração, dia 1 Dezembro na Missa das 11H

 

v  ATENÇÃO ESPECIAL AS FAMÍLIAS: No quarto Domingo de cada mês, na Missa da 11h, na Igreja Paroquial: Bênção da Mãe e Filho após o Parto. Normalmente a coincidir com a Bênção aos Noivos, acolhidos nesse mês. Próxima bênção da Mãe e Filho depois do Parto: 24-11 – 11.00h.

v  Próxima Bênção das Mães Grávidas – Antes do Parto – dia da Sagrada Família, 29-12-11h, na Matriz.

 

v  Marcação de Casamentos para 2014 –Já podem fazer a marcação de todos os Casamentos. Agradecemos muito, que façam também a Marcação das bodas de Prata e Ouro para 2014, a partir desta data. Com antecedência para poderem fazer uma bela preparação pastoral.

 

v  Quem pensa Batizar Filhos, ou ser Padrinho/Madrinha, precisa aparecer sempre com muita antecedência: no mínimo 3 meses. A Bênção das Mães grávidas e depois do Parto, é momento feliz para esta preparação. A Bênção após o Parto, para Mãe e Filho, é também um momento necessário na preparação do Sacramento do Batismo.


 

EM 2013

BÊNÇÃO DAS MÃES GRÁVIDAS EM 2013

Em Comunidade, próximo Dia 22 de Dezembro – 11h – Igreja Matriz.

Sempre que solicitadas.

 

BÊNÇÃO DA MÃE E DO FILHO, APÓS O PARTO – Sempre que solicitada.

Em Comunidade – Ao quarto Domingo do mês; às 11h, na Igreja Matriz: 

- 22 de Setembro na Matriz, às 11h;   

- 27 de Outubro na Matriz, às 11h;   

- 24 de Novembro na Matriz, às 11h;  

- 29 de Dezembro na Matriz, às 11h

Agradecemos façam sempre inscrição prévia na Sacristia

ou por mail, para facilitar o acolhimento.

 

EM 2014

B ê n ç ã o    d a s    M ã e s    G r á v i d a s    e m    2 0 1 4

Sempre que solicitada.

E…

*  19 de Março, 21,30H – Em S. José;      

*  04 de Maio,19H– Na Matriz;            

*  07 de Setembro, 19H – Na Matriz;      

*  21 de Dezembro, 11H – Na Matriz.

 

BÊNÇÃO DA MÃE E DO FILHO, APÓS O PARTO em 2014

Nos seguintes Domingos, na Igreja Matriz:

26/Janeiro=11h;    

23/Fevereiro=11h, na Igreja Matriz;  

23/Março=11h, na Igreja Matriz;  

27/Abril=11h, na Igreja Matriz;     

25/Maio = 19H, na Igreja Matriz;   

22/Junho=11h, na Igreja Matriz;   

28/Setembro=11h, na Igreja Matriz;

26/Outubro=11h, na Igreja Matriz;  

23/Novembro=11h, na Igreja Matriz;  

28/Dezembro=11h, na Igreja Matriz

Agradecemos façam sempre inscrição prévia na Sacristia

ou por mail, para facilitar o acolhimento.

 

Ano 2017 Centenário da Senhora do Rosário de Fátima. Tema do Ano 2013: «Não tenhais medo»

A Paróquia no FACEBOOK: Acompanhe também a vida da nossa Comunidade paroquial e melhor poderá vir às Celebrações e Eventos, em http://goo.gl/TFvOS Experimente o link.

 

DOMINGO XXXll – Tempo Comum C  -   EVANGELHO forma longaLc 20, 27-38


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus – que negam a ressurreição – e fizeram-lhe a seguinte pergunta: «Mestre, Moisés deixou-nos escrito: ‘Se morrer a alguém um irmão, que deixe mulher, mas sem filhos, esse homem deve casar com a viúva, para dar descendência a seu irmão’. Ora havia sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem filhos. O segundo e depois o terceiro desposaram a viúva; e o mesmo sucedeu aos sete, que morreram e não deixaram filhos. Por fim, morreu também a mulher. De qual destes será ela esposa na ressurreição, uma vez que os sete a tiveram por mulher?». Disse-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casam-se e dão-se em casamento. Mas aqueles que forem dignos de tomar parte na vida futura e na ressurreição dos mortos, nem se casam nem se dão em casamento. Na verdade, já não podem morrer, pois são como os Anjos, e, porque nasceram da ressurreição, são filhos de Deus. E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender no episódio da sarça ardente, quando chama ao Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob’. Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos».
Palavra da salvação.

Páginas de apoio litúrgico:

Dehonianos, Sacerdotes do Coração de Jesus E Secretariado Nacional de Liturgia

Saudações a todos os Paroquianos e Visitantes desta página. Votos de um bom S. Martinho.

 

O PAPA FRANCISCO ÀS FAMILIAS

 

SANTA MISSA PARA A JORNADA DA FAMÍLIA
POR OCASIÃO DO
ANO DA FÉ

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO

Praça de São Pedro - Domingo, 27 de Outubro de 2013

Vídeo


Galeria fotográfica

 

As leituras deste domingo nos convidam a meditar sobre algumas características fundamentais da família cristã.

1.      A primeira: a família reza. A passagem do Evangelho destaca dois modos de rezar: um falso – o do fariseu – e outro autêntico – o do publicano. O fariseu encarna uma postura que não expressa tanto agradecimento a Deus pelos seus benefícios e pela sua misericórdia, como, sobretudo, autossatisfação. O fariseu se sente justo, se sente com a consciência tranquila, se vangloria disto e julga os demais do alto do seu pedestal. O publicano, ao contrário, não multiplica as palavras. A sua oração é humilde, sóbria, permeada pela consciência da própria indignidade, das próprias misérias: este homem verdadeiramente se reconhece necessitado do perdão de Deus, da misericórdia de Deus.

A oração do publicano é a oração do pobre, é a oração agradável a Deus que, como fala a primeira leitura, subirá até as nuvens (cf. Eclo 35, 20), enquanto a oração do fariseu está sobrecarregada pelo peso da vaidade.

À luz desta Palavra, queria vos perguntar, queridas famílias: Rezais algumas vezes em família? Alguns, eu sei que sim. Mas, muitos me perguntam: Mas, como se faz? Faz-se como o publicano, está claro: com humildade, diante de Deus. Cada um com humildade se deixa olhar pelo Senhor e pede a sua bondade, que venha até nós. Mas, na família, como se faz? Porque parece que a oração seja uma coisa pessoal; além disso, nunca se encontra um momento oportuno, tranquilo, em família... Sim, isso é verdade, mas é também questão de humildade, de reconhecer que precisamos de Deus, como o publicano! E todas as famílias, todos nós precisamos de Deus: todos, todos! Há necessidade da sua ajuda, da sua força, da sua bênção, da sua misericórdia, do seu perdão. E é preciso simplicidade: para rezar em família, é necessária simplicidade! Rezar juntos o “Pai Nosso”, ao redor da mesa, não é algo extraordinário: é fácil. E rezar juntos o Terço, em família, é muito belo; dá tanta força! E também rezar um pelo outro: o marido pela esposa; a esposa pelo marido; os dois pelos filhos; os filhos pelos pais, pelos avós... Rezar um pelo outro. Isto é rezar em família, e isto fortalece a família: a oração.

2.      A segunda Leitura nos sugere outro ponto: a família guarda a fé. O apóstolo Paulo, no ocaso da sua vida, faz um balanço fundamental, e diz: «guardei a fé» (2Tm 4,7). Mas, como a guardou? Não em um cofre! Nem a escondeu debaixo da terra, como o servo um pouco preguiçoso dos talentos. São Paulo compara a sua vida com uma batalha e com uma corrida. Guardou a fé, porque não se limitou a defendê-la, mas a anunciou, irradiou-a, levou-a longe. Opôs-se de modo decidido àqueles que queriam conservar, “embalsamar” a mensagem de Cristo nos limites da Palestina. Por isso, tomou decisões corajosas, penetrou em territórios hostis, deixou-se atrair pelos que estavam longe, por culturas diferentes, falou francamente, sem medo. São Paulo guardou a fé, porque, como a tinha recebido, assim a entregou, dirigindo-se às periferias, sem se fincar em posições defensivas.

Aqui também, podemos perguntar: De que modo nós, em família, guardamos a nossa fé? Conservamo-la para nós mesmos, na nossa família, como um bem privado, como uma conta no banco, ou sabemos partilhá-la com o testemunho, com o acolhimento, com a abertura aos demais? Todos sabemos que as famílias, sobretudo as jovens famílias, estão frequentemente “correndo”, muito atarefadas; mas já pensastes alguma vez que esta “corrida” pode ser também a corrida da fé? As famílias cristãs são famílias missionárias. Ontem escutamos, aqui na praça, o testemunho de famílias missionárias. Elas são missionárias também na vida quotidiana, fazendo as coisas de todos os dias, colocando em tudo o sal e o fermento da fé! Guardai a fé em família e colocai o sal e o fermento da fé nas coisas de todos os dias.

3.      E há um último aspecto que tiramos da Palavra de Deus: a família vive a alegria. No Salmo Responsorial, encontramos esta expressão: «ouçam os humildes e se alegrem» (33,4). Todo este Salmo é um hino ao Senhor, fonte de alegria e de paz. Qual é o motivo desta alegria? É este: o Senhor está perto, escuta o grito dos humildes e os liberta do mal. Como escrevia São Paulo: «Alegrai-vos sempre... O Senhor está próximo!» (Fl 4,4-5). Pois bem... gostaria de fazer uma pergunta hoje. Mas, cada um leva esta pergunta no seu coração, para a sua casa, certo? É como um dever de casa. E responde-se sozinho. Como se vive a alegria, na tua casa? Como se vive a alegria na tua família? Bem, dai vós mesmos a resposta.

Queridas famílias, como bem sabeis, a verdadeira alegria que se experimenta na família não é algo superficial, não vem das coisas, das circunstâncias favoráveis... A alegria verdadeira vem da harmonia profunda entre as pessoas, que todos sentem no coração, e que nos faz sentir a beleza de estarmos juntos, de nos apoiarmos uns aos outros no caminho da vida. Mas, na base deste sentimento de alegria profunda está a presença de Deus, a presença de Deus na família, está o seu amor acolhedor, misericordioso, cheio de respeito por todos. E, acima de tudo, um amor paciente: a paciência é uma virtude de Deus e nos ensina, na família, a ter este amor paciente, um com o outro. Ter paciência entre nós. Amor paciente. Só Deus sabe criar a harmonia a partir das diferenças. Se falta o amor de Deus, a família também perde a harmonia, prevalecem os individualismos, se apaga a alegria. Pelo contrário, a família que vive a alegria da fé, comunica-a espontaneamente, é sal da terra e luz do mundo, é fermento para toda a sociedade.

Queridas famílias, vivei sempre com fé e simplicidade, como a Sagrada Família de Nazaré. A alegria e a paz do Senhor estejam sempre convosco!

© Copyright - Libreria Editrice Vaticana

Aos 2013-10-27: http://www.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/papa-francesco_20131027_omelia-pellegrinaggio-famiglia_po.html

 

< anterior   Seguinte >
J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
Patanol