J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
13-Informação Paroquial de 31 Março a 07 de Abril 2013 Imprimir EMail

 

INFORMAÇÃO PAROQUIAL DE 31 DE MARÇO A 7 DE ABRIL DE 2013

01   Leitores – Reunião no dia 01 de Abril, às 21:30h

02   GAC – (Crupo de Acção e Cultura) – Reunião no dia 02 de Abril, às 21:30h

03   SPEC- (Secretariado Paroquial Educação Cristã) – Reunião no dia 2 de Abril, às 21:30h, no Taralhão

04   Pais e Padrinhos Catecúmenos Reunião no dia 02 de Abril, às 21:30h

05   Comissão de Festas Sacerdotais

06  Reunião no dia 03 de Abril, às 21.30h, no Salão Paroquial

07   GEOP – Reunião no dia 03 de Abril, às 21:30h

08  Adoração Eucarística com o 10º ano da Catequese - Dia 4 de Abril, às 21:30h, na Matriz

09  Assembleia Geral - Associação Dadores de Sangue de Gondomar – Reunião no dia 05 de Abril, às 21:30h, no Salão Paroquial

10  Catequese Interactiva na Matriz (Com Pais do 6º Ano e Pároco) - Dia 06 de Abril, às 15:00h

11  Dia Diocesano da Juventude – Dia 07 de Abril 2013

12  Festa em honra de Santo Isidoro – Dia 07 de Abril, Eucaristia às 11:00h, no Monte Crasto.

13   Tenda Amizade - Refeições take away à hora de almoço - Dia 07 de Abril(Domingo) (lista de inscrições disponível na Sacristia/Bar da Amizade)

 

PÁSCOA DO SENHOR

Domingo da Ressurreição – Terceiro Dia,

                                       i.    Missas nos Horários habituais, na Matriz: 07,30h; 09,30h; 11.00h

                                     ii.    19h – Missa Solene do Recolher do Compasso.

 

Visita Pascal - será como nos Anos Anteriores. Consultar Programa Próprio nos Locais habituais. Convidamos todas as Famílias a Acolherem o Senhor. Crianças e Jovens, Doentes e Casais, todos recebendo a Vida Nova. As Equipas do Compasso recolherão o Folar das Famílias, para auxílio da vida paroquial, como é costume.

 

ACONTECE PROXIMAMENTE

                          Para ir registando e reservando disponibilidade

01  MEC-Ministros Extraordinários da Comunhão- Formação Permanente em S. Mamede de Infesta, dia 10, 21:30h – Na Casa Diocesana de Vilar, dia 13 às 15h.

02  Dia Paroquial do Doente – 14 de Abril, às 15h, na Igreja Paroquial.

03  Concerto da Esperança – Dia 20 de Abril, na Igreja Paroquial, com coro de S. Tarcísio.

04  Próxima Bênção das Mães Grávidas – Primeiro Domingo de Maio – Dia da Mãe – 05 de Maio, 19h, na nossa Igreja Paroquial.

05  Ano 2017 Centenário da Senhora do Rosário de Fátima. Tema do próximo Ano 2013: «Não tenhais medo»

Pode também acompanhar a vida da nossa Comunidade e melhor vir às Celebrações e Eventos, em http://goo.gl/TFvOS Experimente o link.

 

O Pároco, saúdo a todos os visitantes e paroquianos desejando uma Feliz e Santa Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Boas Festas! ALELUIA!  ALELUIA!

EVANGELHO

Jo 20, 1-9 «Ele tinha de ressuscitar dos mortos»

 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João.

 

No primeiro dia da semana,

Maria Madalena foi de manhãzinha, ainda escura, ao sepulcro

e viu a pedra retirada do sepulcro.

Correu então e foi ter com Simão Pedro

e com o discípulo predilecto de Jesus

e disse-lhes:

«Levaram o Senhor do sepulcro

e não sabemos onde O puseram».

Pedro partiu com o outro discípulo

e foram ambos ao sepulcro.

Corriam os dois juntos,

mas o outro discípulo antecipou-se,

correndo mais depressa do que Pedro,

e chegou primeiro ao sepulcro.

Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou.

Entretanto, chegou também Simão Pedro, que o seguira.

Entrou no sepulcro

e viu as ligaduras no chão

e o sudário que tinha estado sobre a cabeça de Jesus,

não com as ligaduras, mas enrolado à parte.

Entrou também o outro discípulo

que chegara primeiro ao sepulcro:

viu e acreditou.

Na verdade, ainda não tinham entendido a Escritura,

segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos.

 

Palavra da salvação.

 

A PALAVRA DO NOSSO BISPO, SR. D. MANUEL CLEMENTE

 

 SÉ DO PORTO  -  HOMILIA DO NOSSO BISPO, SR. D. MANUEL CLEMENTE

QUINTA FERIA SANTA – 28-03-2013

Rendamo-nos de vez à humildade de Deus

 

Ouvimos na primeira leitura, tirada do livro do Êxodo, esta ordem de Deus ao seu povo, prestes a libertá-lo do cativeiro egípcio: «Procure cada qual um cordeiro por família […]. Recolherão o seu sangue, que será espalhado nos dois umbrais e na padieira da porta das casas em que o comerem. […] Quando o comerdes, tereis os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. Comereis a toda a pressa: é a Páscoa do Senhor. Nessa mesma noite, passarei pela terra do Egito […]. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não sereis atingidos pelo flagelo exterminador […]. Esse dia será para vós uma data memorável».

 

Caríssimos irmãos, aqui reunidos na Missa da Ceia do Senhor, inaugurando o tríduo pascal de 2013: Como acabei de referir, trata-se de 2013, o que nos transporta ao século XXI cristão, somado aos doze ou treze em que fora o tempo de Moisés e a primeira Páscoa referida… É caso para justamente nos interrogarmos sobre o porquê desta leitura, feita agora e no diferentíssimo contexto em que vivemos.

A resposta começa a ser dada pela nossa presença aqui. O texto lido e ouvido, fala-nos certamente da libertação do Egito. Mas a memória guardada pelos nossos antepassados do primeiro testamento, é base indispensável para a que ganhámos em Cristo, «Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo».

Indispensável, sim, requerendo meditação mais compassada. Retomemos os pontos essenciais: um povo submetido a opressão; Deus, que não o queria assim e suscitara em Moisés a cooperação indispensável para libertar os seus irmãos; um Egito que não os queria deixar partir; um cordeiro que se devia comer em família e cujo sangue assinalaria as suas casas, resguardando-os quando o Senhor passasse; e tudo com urgência e grande pressa, porque de partir se tratava.

 

Quando o Senhor passasse… Esta passagem definiu a Páscoa, antiga ou nova. Passagem de Deus, que tomará em Cristo a última expressão e figura - mas é sempre sua a Páscoa, e será nossa a libertação de quantos “Egitos” nos cativarem. E nem faltará o “sangue”, sinal da vida que nos protege.

Iniciemos então o tríduo sagrado com idêntica expectativa e igual premência, pois é de urgente libertação que se trata. Não cumprimos exteriormente um ritual, antes nos cumprimos nele, permitindo que as palavras e os gestos nesta Santa Missa repetidos nos impregnem profundamente o coração com um poder tão salvador como o que tirou o povo daquele cativeiro antigo.

Urgência, disse, porque a Páscoa não se atrasa, e muito menos o Senhor que passa e espera ver nas nossas casas, isto é, nas nossas vidas, o sinal visível de que nos dispomos realmente a partir.

Creio que partilhareis comigo a convicção de que a Páscoa do mundo – deste mundo nosso, tão carregado e sofrido como está em tantos, longe ou perto – demora ainda e demasiadamente demora, porque atrasamos a partida, aquela saída de muitos cativeiros onde por vezes parecemos acomodar-nos.

Não nos faltam repetidos “Moisés”, que da parte de Deus nos garantam os êxodos, as saídas possíveis. Não nos faltam séculos e séculos dos dois testamentos, a demonstrar que quem parte encontra caminho, na disposição mais firme para seguir em frente. E, no entanto, entre agora cada um de nós na casa do seu coração e veja se está pronto, realmente pronto e decidido, a sair de quanto o prende e espiritualmente limita. Não tanto pelas suas forças, mas primeiramente porque Deus o quer e inteiramente porque Deus o pode. Deus passa e nós partiremos com Ele.

No momento atual que vivemos e sofremos, por nós ou pelos outros, repetem-nos sucessivamente a pergunta sobre o que afinal fazemos enquanto Igreja e como respondemos à famigerada “crise”. Creio que a resposta só pode ser uma, como aliás é dada por tantas vidas de facto convertidas: há muita gente que, por se dispor realmente a sair de cativeiros vários e egoísmos múltiplos, confia mais em Deus do que em conjeturas sobre o que pode ou não pode, teme ou não teme, e avança, solidariamente avança, como “povo” avança, ainda que os desertos sejam longos e o horizonte apenas se entreveja.

Na Páscoa de 2013, nesta catedral e em todas as famílias e comunidades cristãs, nós somos e só podemos ser, um povo disposto a partir – não como emigrantes geográficos mas como gente convertida a um Deus que nos faz estar ainda mais aqui, em doação e serviço.

 

Como discípulos de Cristo, ouvimos o trecho de Paulo aos coríntios, no primeiro resumo da tradição eucarística: «Eu recebi do Senhor o que também vos transmiti: o Senhor Jesus, na noite em que ia ser entregue, tomou o pão e, dando graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu Corpo, entregue por vós. […] Este cálice é a nova aliança no meu Sangue. Todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de Mim”.

Isto dissera Jesus naquela última ceia em que resumira o significado de toda a sua vida entre nós e por nós entregue. Da sua Páscoa afinal, como também ouvimos, no Evangelho que se seguiu, começando assim: «Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai, Ele, que amara os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim…”.

- Que sabemos nós então e enquanto cristãos sabemos e professamos? Sabemos que, em Jesus, temos o Cordeiro que nos alimenta e salva, como alimento para o caminho e sinal protetor; sabemos que nele é o próprio Deus que passa e que, com ele sempre, também nós passamos deste mundo para o Pai, numa filiação finalmente cumprida, que nos realiza inteiramente a nós e igualmente liberta o mundo, fazendo respirar a criação inteira.

Também isto nos disse Paulo, noutra das suas cartas, divisando o horizonte imenso duma Páscoa cumprida, em nós e no mundo, ou, por nós, no mundo: «Vós não recebestes um Espírito que vos escravize e volte a encher-vos de medo; mas recebestes um Espírito que faz de vós filhos adotivos. É por Ele que clamamos: Abbá, ó Pai! […] Até a criação se encontra em expectativa ansiosa, aguardando a revelação dos filhos de Deus» (Rm 8, 15.19).

Em tudo é sempre e só de Páscoa que se trata, passando com Cristo para o Pai e reencontrando no coração de Deus a libertação definitiva de quanto nos retém e escraviza, em corações fechados por egoísmos e medos que sufocam tristemente o mundo.

 

Não ficamos por enunciados gerais ou ideias abstratas. O Evangelho não podia ser mais concreto e impressivo, no gesto de Cristo, Filho de Deus na terra: «Levantou-se, da mesa, tirou o manto e tomou uma toalha, que pôs à cintura. Depois, deitou água numa bacia e começou a lavar os pés aos discípulos».

Absolutamente assim e nada menos do que isto, caríssimos irmãos em tríduo. Iniciando a celebração pascal, que hoje e sempre nos urge uma conversão autêntica, temos de vencer a compreensível hesitação de Pedro e deixar-nos servir por um Deus humilde, que nos olha de baixo para cima, para nos lavar os pés…

Compreensível hesitação de Pedro, demorada compreensão nossa, de como é o Deus de Jesus Cristo, pedindo que O deixemos servir-nos. Na verdade, insistimos em reter Deus na grande altura, como se O dispensássemos da vida “cá em baixo”. E isto, mais para a determinarmos nós e ao nosso modo, do que por Lhe respeitarmos a indesmentível transcendência. E talvez porque aceitá-Lo assim, como Jesus insiste que aceitemos, implica valorizar a extrema simplicidade das coisas como lugar onde Deus nos procura; implica servi-Lo humildemente nos outros, em quem sempre se apresenta e nos espera. – Custa tanto aceitar um Deus que se ajoelha e nos quer lavar os pés!

E, no entanto, é assim. Acompanhamos hoje a instituição da Eucaristia e do sacerdócio da nova aliança. E nem uma nem outro significam grandezas que ofusquem: pão e vinho consagrados, para serem o próprio Deus oferecido; um pequeno grupo de discípulos, consagrados também, para que a memória daquela oferta não se extinga mais na terra.

Aceitemos a Deus, que em Jesus se entrega em simplicidade tamanha. Partamos como os hebreus daquela noite, com o essencial do que somos e havemos de oferecer, se urgentemente partirmos. Rendamo-nos de vez à evidência cristã das coisas, à exigente humildade de Deus.

Para não esquecermos, e realmente cumprirmos, o que a seguir nos ordenou Jesus, nosso Cordeiro e Pastor: «Se Eu vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo, para que, assim como Eu o fiz, vós façais também».

 

 

 

< anterior   Seguinte >
J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
Patanol