J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
Hinos Litúrgicos para Orar na Quaresma Imprimir EMail

 

HINOS DA LITURGIA

PARA ORAR NO TEMPO SANTO DA

QUARESMA

 

 

Benigno Criador, ouvi clemente

As nossas orações e o nosso pranto;

Neste sagrado tempo da Quaresma,

Compadecido olhai-nos, ó Deus santo.

 

Justíssimo juiz das nossas almas,

Vós conheceis a enfermidade humana:

Voltando para Vós arrependidos,

Pedimos vossa graça soberana.

 

Confessamos que somos pecadores,

Mas, em vez do castigo, perdoai-nos.

Por vosso nome santo e vossa glória,

Da nossa vil miséria libertai-nos.

 

Aceitai o jejum e a penitência

Que em nossa própria carne suportamos;

Por eles, nossas almas se libertem

Dos erros e misérias que choramos.

 

Estas nossas humildes oferendas

Aceitai, ó Santíssima Trindade,

E levai-nos, no amor purificados,

Ao esplendor da vossa eternidade.

A____________XP____________Ώ

 

Crescem nas asperezas do caminho

Pequenas flores brancas de esperança;

Não podem os espinhos afogá-las,

Pois foi o amor quem as chamou à vida.

 

À semente do bem e da verdade

Mistura-se a cizânia do inimigo.

Estende-nos, Senhor, a tua mão,

Salva do mal os corações feridos.

 

O mundo inteiro pede a Deus justiça

Do fundo abismo de ódio e desespero;

E ouvimos Raquel, inconsolável,

Chorar os sonhos mortos de seus filhos.

 

Quando virá o luminoso dia

Em que, livres da morte e do pecado,

Cantemos a alegria que nos trouxe

A força do teu braço levantado?

 

Escuta a nossa voz, Trindade santa,

E faz que a penitência quaresmal

Confirme a nossa fé e nos conduza

Ao encontro de Cristo glorioso.

A____________XP____________Ώ

 

Olhai, Senhor, a noite que nos cobre,

A fúria do pecado sobre a terra;

Olhai a injustiça, olhai a guerra,

Olhai para o cativo e para o pobre.

 

Olhai a humanidade dividida,

Olhai os transviados, os sem norte,

A força da mentira, o erro, a morte

E sobretudo o amor faltando à vida.

 

Rebanho sem pastor nos montes bravos,

Que seremos sem Vós neste deserto?

Sem Vós, ó Cristo, neste mundo incerto,

Não somos homens livres mas escravos.

 

Salvai, Senhor, o vosso povo aflito,

Que nos seus próprios erros vive errante;

Da morte libertai-nos, triunfante,

Como Israel salvastes do Egipto!

 

            Da morte e do pecado

            Libertai-nos, Senhor.

            Contritos, esperamos

            Vossa Páscoa de Amor.

A____________XP____________Ώ

 

Alto Senhor sempiterno,

Sem primeiro e sem segundo,

Em cujo peito profundo

Consiste o comum governo

Deste mundo e desse mundo,

 

Permita teu ser divino

Mostrar-lhe a vida e a verdade

Àquele espírito indigno

Que vai à tua cidade

Miserável peregrino.

 

Põe-lhe diante a esperança,

Acompanha-o com temor,

Acrescenta-lhe valor,

Manda afastar a lembrança:

Caminhará vencedor.

 

Tu que és fogo e és coluna,

Dá luz e dá fortaleza

Contra essa força importuna

Das trevas da natureza

E dos laços da fortuna.

A____________XP____________Ώ

 

Se me envolve a noite escura

E caminho sobre abismos de amargura,

Nada temo porque a Luz está comigo.

 

Se me colhe a tempestade

E Jesus vai a dormir na minha barca,

Nada temo porque a Paz está comigo.

 

Se me perco no deserto

E de sede me consumo e desfaleço,

Nada temo porque a Fonte está comigo.

 

Se os descrentes me insultarem

E se os ímpios mortalmente me odiarem,

Nada temo porque a Vida está comigo.

 

Se os amigos me deixarem

Em caminhos de miséria e orfandade,

Nada temo porque o Pai está comigo.

 

Se me envolve a noite escura

E caminho sobre abismos de amargura,

Nada temo porque a Luz está comigo.

A____________XP____________Ώ

 

Senhor meu Deus, humildemente peço

O teu amor de Pai e o teu perdão,

Embora eu saiba que o não mereço.

 

Defende e acolhe a humilde devoção,

Reforma sempre na verdade santa

O antigo pensamento errado e vão.

 

Louvado seja Deus, minha esperança:

Ao cair sobre a terra a noite escura,

Renova em mim a paz e a confiança.

 

Louvor se dê ao Pai omnipotente,

Ao Filho, imagem sua e formosura,

E ao Espírito de ambos procedente.

A____________XP____________Ώ

 

A clemência de Deus é infinita,

Ele perdoa as culpas do seu povo:

Dá luz ao cego, dá ouvido ao surdo,

Dá voz ao mudo, os mortos ressuscita,

E faz do mundo antigo um mundo novo.

 

Com poderosas armas se levanta

A negra morte sobre toda a terra;

A palavra de Deus é esquecida,

Cercam as trevas a Cidade Santa,

Em vez da paz é construída a guerra.

 

Acolhei esta nossa penitência,

Fazei-nos testemunhas da esperança,

Semente duma nova humanidade,

Sinal da vossa eterna complacência,

Povo de Deus que pelo mundo avança.

 

O vosso Filho nos salvou da morte,

A morte mais infame suportando;

Presos, porém, ainda do pecado,

Vossa misericórdia nos conforte,

No tempo da Quaresma nos guiando.

 

            Deus, nosso Pai,

            É clemente e compassivo.

            Ele nos corrige,

            Ele nos dá o seu perdão.

A____________XP____________Ώ

 

Eis o tempo favorável

Que nos deu a Divindade,

Para que tenham remédio

As culpas da humanidade.

 

A luz excelsa de Cristo

Nos traz hoje um novo dia,

Que nos tira do pecado

E a salvação anuncia.

 

Penitentes, corpo e alma,

Assim Deus não nos condene

E nos leve em alegria

À sua Páscoa perene.

 

Renovados pela graça,

Erguei um cântico novo

Ao Pai que enviou seu Filho

A resgatar o seu povo.

A____________XP____________Ώ

 

Nós que buscamos em Cristo

Nossa alegria pascal,

Vamos com Ele ao deserto

Da conversão quaresmal.

 

É lá que o Espírito fala

A todo o homem cristão

Que tiver mortificado

A língua e o coração.

 

Venceremos pela fé

As forças do Tentador,

Servos fiéis, entraremos

Na alegria do Senhor.

 

Glória ao Pai Omnipotente,

Glória ao Filho Redentor,

Glória ao Espírito Santo,

Fonte de graça e de amor.

A____________XP____________Ώ

 

Senhor, a vida que nos destes é passagem

Até à vossa Páscoa da libertação;

Senhor, já se divisa a Terra da Promessa

Para além do deserto,

Além da solidão.

 

Somos um povo caminhando penitente,

Pecámos como outrora o povo de Israel;

Conduzi vossa Igreja à Terra da Promessa,

Liberta do pecado

E ao vosso amor fiel.

 

Agora caminhamos entre sofrimentos,

Comemos nosso pão com lágrimas e dor;

Mas Cristo nos conduz à Terra da Promessa,

Onde saborearemos

O pão do seu Amor.

 

Libertai-nos, Senhor, da escravidão da morte

Pelo novo Moisés, vosso Filho Jesus;

É Ele que nos leva à Terra da Promessa

E nos dará os frutos

Da árvore da Cruz.

            Conduzi-nos, Senhor,

            À Terra da Promessa.

A____________XP____________Ώ

 

Como Israel, vosso povo,

Caminhou pelo deserto,

A vossa Igreja percorre

Os caminhos da Quaresma.

 

Quarenta dias passastes,

Senhor, nos áridos montes,

Antes que a vossa Palavra

Proclamasse a Boa Nova.

 

As tentações do Inimigo

Firmemente rejeitastes,

Ó vencedor do pecado,

Redentor da humanidade.

 

Das culpas arrependidos,

Vosso perdão suplicamos,

Aguardando a nova Páscoa

Em que vencestes a morte.

 

No jejum e na abstinência

Do mal nos purificamos

Até sermos saciados

No banquete do Cordeiro.

A____________XP____________Ώ

 

Escutemos a voz que chama o povo

Para sair do Egipto do pecado

E seguindo o caminho do deserto

Acolhamos humildes a palavra.

 

Vamos todos guiados pela esperança,

Confiados no braço do Deus forte,

Entre as luzes e sombras do caminho

Que nos conduz à Terra Prometida.

 

Desde o Nilo ao Jordão vai caminhando

Este povo de Deus que reza e canta,

Convertido o maná na Eucaristia

E o deserto em doce paraíso.

 

No alto do Calvário a Cruz proclama

A nova lei do amor e da justiça:

O lado do Senhor está aberto

Como fonte perene de água viva.

 

Adoremos o Pai omnipotente

E seu Filho o Senhor que nos salvou

E o Espírito de Deus que em fogo ardente

Purifica e renova os corações.

A____________XP____________Ώ

 

No coro da assembleia penitente,

Ou no templo do próprio coração,

Prostremo-nos, irmãos, aos pés do Pai,

Peçamos confiantes seu perdão.

 

Libertai-nos, ó Pai, do nosso medo,

Firmai nossa esperança em vosso amor.

E quem teme o juízo há-de sentir

Que é quando perdoais que sois Senhor.

 

A vossa mão paterna e poderosa

É que em nós vai formando o homem novo,

Pela força vital do vosso Espírito,

Fazeis-nos vossa vinha, vosso povo.

 

Tendo andado perdidos por tão longe,

Regressamos ao nosso Lar primeiro.

Eis-nos, ó Pai: curai nossas feridas

E ordenai o banquete do Cordeiro.

 

Louvor e glória a Vós, ó Pai celeste,

E ao Filho, nossa Páscoa verdadeira,

E ao Espírito Santo, que renova

No seu amor a Igreja, a terra inteira.

A____________XP____________Ώ

 

Desperta já a luz do novo dia,

Jubilosos cantemos nossa fé;

Peçamos ao Senhor humildemente

Que acenda o seu fervor em nossas almas.

 

Andemos confiantes os caminhos

Que purificam o homem do pecado,

Ao Senhor convertidos, procuremos

Uma verdade nova em nossas vidas.

 

Circule em nosso ser a seiva nova,

Caudal de puras águas cristalinas,

Que, brotando do lado do Senhor,

Correm vivas até à eternidade.

 

Recebei, ó Pai santo, este louvor,

Que, unida para sempre a vosso Filho

No amor do Espírito divino,

A Igreja peregrina reza e canta.

 

 

< anterior   Seguinte >

Noticias da Actualidade

Estatísticas desde JAN/05

Visitantes: 27233195

Utilizadores Online

Temos 89 anónimos online
J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
Patanol