J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
Benção da Primeira Fase do Centro Paroquial, Partida para a Conclusão Imprimir EMail

 

ROSÁRIO PEQUENINO, EM GONDOMAR/S. COSME,

E BENÇÃO DA PRIMEIRA FASE DO CENTRO PASTORAL PAROQUIAL

11 DE OUTUBRO DE 2008

 

Após a Missa de Acção de Graças, na Matriz, presidida pelo Sr. D. João Evangelista, Bispo Auxiliar, com a presença da Catequese e Fiéis,

Foram todos em Cortejo litúrgico até ao Átrio do Centro Paroquial,

Onde o Sr. Bispo fez a Benção da Primeira Fase do Centro Paroquial.

Segui-se Sessão Solene, frente ao Escadório, onde foram pronunciadas bonitas palavras, entre elas as que se seguem.

 

 

PALAVRA DO ARQUITECTO JOÃO CARLOS SARABANDO,

AUTOR DO PROJECTO DO CENTRO PAROQUIAL DE GONDOMAR

NA HORA DA BENÇÃO DA PRIMEIRA FASE DO CENTRO

E PARTIDA PARA A CONCLUSÃO DA OBRA.

 

 

 

Exmas. Autoridades Eclesiásticas e Civis

Meus senhores e minhas senhoras

Caríssimos amigos e companheiros de Jornada

 

Como é bom estar aqui, convosco e neste cenário!

É um lugar comum dizer-se, que o homem sonha e a obra nasce.

 

Porém em obras como esta, todos sabemos que da teoria à prática, o caminho é longo, com quilómetros de dificuldades financeiras e burocráticas só ultrapassados com a generosidade de muitos beneméritos e o esforço abnegado de obreiros.

 

Permitam que comece por me referir a estes últimos, que quase sempre ficam anónimos nas regras do protocolo e esquecidos nos registos dos arautos.

 

Costumo dizer que ter sonhos e fazer riscos até é fácil! Assumi-los e construí-los é que é difícil. E acreditem, esta obra poderia ter sido um bom exemplo dessa afirmação, mas para minha surpresa não foi bem o que se passou.

 

Na elaboração do projecto o riscador foi afortunado porque pôde contar com as preciosas ajudas do colega Mário Marques, do Sr. Abade Alípio, Engº Castelo Branco e dos restantes membros da Comissão Fabriqueira; e também na execução da obra, não o fomos menos:

Se uma construção nova e de raiz necessita de técnica e estética, uma requalificação patrimonial como esta, requer engenho e arte.

A arte dos artistas de muitos misteres, e o engenho que só muitos lutres de profissão e saberes ensinam.

 

Acreditem, na reconstrução e dignificação desta casa com tantas memórias para tantos de vocês, até S. Cosme e S. Damião estiveram do nosso lado, quando colocaram a empresa MSS no nosso caminho.

Ao empenho do seu corpo técnico e sobretudo à qualidade dos seus trabalhadores e colaboradores, quero aqui expressar o nosso apreço.

 

Foi um privilégio para toda a equipe técnica e de fiscalização ter como companheiros de jorna um mestre de acabamentos como o Sr. Brás, um encarregado de estruturas como o Sr. Vieira, um mestre carpinteiro como o Sr. Orlando e um conhecedor de cantarias como o Sr. Monteiro.

 

Ao sublinhar o seu contributo, vai para todos os restantes o nosso reconhecimento, porque com artistas deste gabarito, os técnicos dos projectos e das fiscalizações nunca se sentem humilhados por lhes pedir aqueles conselhos e aquelas ajudas que as universidades não ensinam.

 

Ainda antes de terminar, gostava de partilhar convosco uma ideia importante e talvez decisiva, para a compreensão desta obra:

Afinal o que tem de especial este Centro Paroquial?

Afinal não será apenas mais um edifício, mais um equipamento colectivo como tantos outros, com a área de algumas centenas de m2 e o custo de muitos milhares de Euros?

Também é isso, meus amigos, mas é muito mais!

 

A Primeira Fase do Centro Paroquial de S. Cosme é um milagre cada vez mais raro nos nossos dias, e no nosso país!

Pensam com certeza, que estou a exagerar!

Então analisem o fruto da vossa solidariedade por este prisma:

Quais são os edifícios com valor patrimonial que hoje são requalificados em Portugal?

São Conventos para Pousadas, Palácios e Fortalezas para Hotéis de Charme e de muitas estrelas, Solares para Turismo de Habitação e edifícios nobres para instituições da nobreza do Estado... Estou certo?

E a quem se destinam esses espaços de excelência, como agora é de bom tom dizer?

Bem, também será de bom tom não gastar saliva com os destinatários.

Claro que já perceberam, que o fruto da vossa solidariedade é bem diferente...

Aqui, a comunidade paroquial de S. Cosme com a importante ajuda da autarquia, requalificou um edifício de referência, devolveu um bocado de memória à cidade de Gondomar e abriu-lhe as portas; e tudo isto sem pagamento de portagens ou exibição de pedigri social em cartões dourados.

 

 É este o milagre de que vos falei. Foi esta a obra que vocês todos ajudaram a realizar, é essa a alma de filigrana que vos distingue.

 E enquanto agradeço a vossa tolerância para as palavras que acabei de proferir, quero terminar com um voto de esperança:

 

A Primeira Fase do Centro Paroquial de S. Cosme aqui esta!

Ansiosa pelas pessoas no cartório paroquial,

da comunidade pastoral na residência,

das crianças no centro de catequese,

dos jovens no agrupamento de Escuteiros,

e de vocês todos sem excepção, para o arranque da Segunda Fase.

 

Estou certo que as gentes de Gondomar não irão permitir que o seu Centro Paroquial fique a meio e amputado à nascença. É por isso que acredito, que com a mobilização de todos e de todas as forças vivas da cidade, e mais uma vez com a ajuda determinante da autarquia, a obra que todos merecem se concretizará.

 

            Bem hajam por isso.                                

 

           11 de Outubro de 2008

 

 

                                                                             

  PALAVRA DO PÁROCO DE GONDOMAR

 

 

«Sei viver na pobreza e sei viver na abundância.
Em todo o tempo e em todas as circunstâncias,
tenho aprendido a ter fartura e a passar fome,
a viver desafogadamente e a padecer necessidade.
...
Glória a Deus, nosso Pai, pelos séculos dos séculos. Ámen
».

     (Leitura II, deste XXVIII Dom. Comum A - Filip 4,12-14.19-20)

 

 

Em Ano santo Paulino, este texto do Apóstolo, na segunda Leitura deste Domingo, dá-nos o mote para olharmos e vermos, ouvirmos e escutarmos, palparmos e sentirmos, cheirarmos e inebriarmo-nos, com a doce fragrância deste lugar, das pedras desta casa, nesta hora da História e da nossa Comunidade.

Outono, das colheitas, dos frutos doces e da festa, do matiz multicolor que o artista e Pintor divino salpica a Irmã Terra, em Ano da Bíblia, neste Outubro missionário, a meio do Sínodo dos Bispos em Roma sobre «A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja», ao abrirmos hoje a Semana Mundial das Missões, na ternura e enlevo do Rosarinho ou Rosário Pequenino, com a presença de todos vocês, agradecemos o passado, festejamos este ‘Presente' e construímos o futuro:

 

«Glória a Deus, nosso Pai, pelos séculos dos séculos. Ámen».

 

 

Exmo. e Revmo. Senhor D. João Evangelista, Bispo Auxiliar do Porto,

Exmo. Senhor Major Valentim Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Gondomar

Exmo. Senhor Dr. Macedo, Presidente da Junta de Freguesia de Gondomar/S. Cosme

Exmo. Senhor Arquitecto João Carlos Sarabando, Autor do Projecto e Amigo de Gondomar

Exma. Senhora Dra. Isabel Santos, Deputada à Assembleia da Republica

Demais Vereadores, Autarcas

Reverendos Sacerdotes, daqui e aqui presentes.

Exmas. Autoridades Civis, Militares, Representantes das Associações Gondomarenses,

Exmos. Representantes de todos os Movimentos, Organismos e Centros Paroquiais

Representantes de toda a Catequese Paroquial e dos Sete Centros

Agrupamento 278 do CNE de Gondomar - A celebrar 40 Anos de Fundação Paroquial

Empresa MSS, Contrutora, SA.

Equipa Técnica e de Fiscalização

Estimados Encarregados, e todos os Trabalhadores que passaram por esta Obra

Comissão Fabriqueira, GEOP, Servidores, Amigos e Benfeitores do Centro Pastoral,

Caros Paroquianos e todos os Amigos e Familiares aqui presentes,

Irmãos Doentes ou impossibilitados de estar aqui, estamos unidos na comunicação em Cristo

Queridos Meninos, Jovens, Esperança e Futuro dum amanhã viçoso e fecundo.

 

Ao nomear, os principais intervenientes e obreiros do Centro Pastoral Paroquial, significa o feliz e eterno agradecimento de toda a Paróquia, para todos vocês. Em nome da Comunidade Cristã, Bem Hajam.

 

Sejam Bem Vindos. Muito Obrigado pela vossa presença amiga e pela força e partilha com que sempre têm cooperado para a vida da nossa Comunidade cristã de Gondomar/S. Cosme.

 

«Glória a Deus, nosso Pai, pelos séculos dos séculos. Ámen».

 

É porque Deus é Pai comum, que formamos uma Família, Comunidade em Cristo. Recordando Paulo, o essencial da nossa Felicidade, presente e futura, não está nas coisas, na pobreza ou no desafogo.

 

Já temos metade do Centro Pastoral Paroquial edificado. Vamos concluir a Obra, tão breve quanto possível. Só funciona em pleno, com a Parte que falta. É como um Avião de duas Asas: só com uma não voa. Porém, sempre e em tudo: a nossa Meta é Edificar Comunidade, sermos e crescermos como Família feliz, que se ama e ampara, por Cristo, em Deus, nosso Pai. A Obra completa do Centro Pastoral, é um valioso suporte para a Família Paroquial. Tal como «Quem casa quer casa», assim uma Paróquia para cumprir a sua Missão, precisa de ter instalações adequadas. Para a sua Missão. A missão que o Centro há-de cumprir é, como diz o nosso Bispo: CCC, Casa e Centro Cristão.

 

Isto é,

 

C - de Comunidade. Todo o Centro, existe e funciona para ajudar a vida das Pessoas de Gondomar. Edificar Comunidade, em Deus nosso Pai, Freguesia mais humana, mais fraterna, justa, segura. Baptismos, Casamentos, Funerais, Catequese, Animação e Coordenação da Pastoral. Acolhimento Pastoral a todos.

 

C - de Cultura. Em tempos de massificação e estupidificação das massas para depois as explorar ignobilmente, deixando-as em hordas, tombadas na valeta da vida, temos hoje, e muito mais amanhã, que re-propor a Cultura do Evangelho, com o seu humanismo e valores, que dão mais paz às Famílias e aos corações. Uma Cultura da proximidade, do Acolhimento, do Diálogo, da Formação das Crianças e Jovens, nos Valores da Família, da Nação, do Bem Comum, do Respeito, da medida Alta da santidade, etc.

 

C - de Caridade. Esta Casa é da Comunidade, foi da Agricultura, da Instrução e Cultura. Mas culmina a sua missão, na Caridade. E se as Obras de misericórdia mais sensíveis são as materiais que se vêm, as que podem prevenir muito sofrimento, e igualmente evangélicas, são as espirituais. Apoio moral e Espiritual. No luto e na Doença. O Acolhimento espiritual, a Confissão, o Bom Conselho, confortar os tristes, desanimados e deprimidos. Tantas pessoas que hoje precisam de ser acolhidas e descobrirem que Deus as ama, na e pela Comunidade.

 

O Centro Pastoral, e metade já está feito, tem por missão, por única finalidade, os três CCC: Comunidade, Cultura e Caridade. Com todos vós, assim será. Mais que a beleza e história deste monumento, importa a sua finalidade: CCC, Comunidade, Cultura e Caridade. Que belo Programa! Heróico desafio! A todos nós.

«Glória a Deus, nosso Pai, pelos séculos dos séculos. Ámen».

 

Fica claro: Estamos a meio do Centro Pastoral. Todo ele, como esta metade, são da e para toda a Comunidade. Vejamos. Aqui temos quatro Pólos:

 

            A Sede dos Escuteiros, bem junto da Igreja, do Centro Pastoral e do Pároco.

            Salas para todas as Actividades, da Igreja e da Cultura, da Catequese aos Reformados da "Vida Ascendente"

            Residência para o Pároco ter condições para melhor servir a nossa Cidade e acolher algum Seminarista estagiário ou Sacerdote.

            Cartório e Arquivo Paroquial, até agora inexistente.

 

Regalados com esta maravilha e recuperação do Património, vamos ganhar novo fôlego para o sprint final. Hoje Gondomar, fica mais nobre, mais rica, na sua História e Património.

Bem Hajam, todos. Os Pobres. Os Doentes que têm rezado... Os apaixonados Voluntários do GEOP, Tenda e Bar, Benfeitores e Amigos. Hoje estamos felizes, em Festa, com a MSS, toda a Equipa técnica.

 

Muito gratos ao Sr. Presidente da Junta. Mas uma palavra especial para o Sr. Presidente da Câmara: não só porque protocolou 400.000 euros - e quem sabe, agora ao ver tão bem empregado o erário público, não venha a arredondar para os 500.000 ou mais. Mas, Sr. Presidente, estamos-lhe muito gratos, assim como à restante Equipa da Câmara, pelo apoio pessoal e interesse que sempre pôs nesta Obra de relevância concelhia e ao serviço da qualidade de vida, sobretudo moral e espiritual, de toda a Vigararia e concelho.

 

Esta foi edificada com o amor, paixão, suor e trabalho incansável, dos simples e pequeninos... Nesta Hora, feliz, fica o repto, aos paroquianos mais abastados, aquela grande maioria que pouco ou nada deram: agora a Conclusão da Obra é com estes Irmãos, igualmente membros da Paróquia.

 

A todos, a todos as Instituições da Freguesia e do Concelho que nos apoiaram, também aos ausentes, aos que já partiram para o Céu, aos Emigrantes,

Bem Hajam. 

Deus abençoe a todos.

 

«Glória a Deus, nosso Pai,

 

pelos séculos dos séculos. Ámen».

 

 

 

< anterior   Seguinte >
J.A.T. template series was designed 2006 by 4bp.de: www.4bp.de, www.oltrogge.ws
Patanol